sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Não olhe para a luz


O drama operístico “Tetro” (2009 – Argentina, Itália, Espanha e Estados Unidos), de Francis Ford Coppola, narra a história do jovem Bennie (Alden Ehreinreich) que desembarca em Buenos Aires devido a um problema no motor do navio onde ele trabalha.

A esse motivo inicial, porém, vai sendo acrescido outro, o de que ele foi encontrar o seu meio-irmão mais velho Angelo (Vicent Gallo), que decidiu tirar um ano sabático para escrever e nunca mais entrou em contato com a família. Entretanto, Angelo, que mora com a namorada Miranda (Maribel Verdú), não é mais o mesmo, transformou-se num homem sombrio e de temperamento explosivo. Para esconder o passado e demarcar essa nova identidade, ele passou a ser chamar Tetro.

O nome Tetro (do latim: teter, sombrio, obscuro), numa visão mais rasa, faz referência ao sobrenome dele, Tetroccini, mas também revela a personalidade sombria que ele assumiu. Isso se reflete na obra como um todo, que possui uma atmosfera obscura, tanto pela prevalência do preto e branco, quanto pela utilização das sombras.

Esses recursos funcionam, da mesma forma, para ludibriar o espectador que, salvo pela aparição de alguns equipamentos tecnológicos atuais, poderia se perder no jogo de esconder-revelar do diretor, a ponto de não saber dizer qual o tempo em que se passa o filme.

Esses jogos entre claro e escuro, esconder e revelar, além do exagero operístico – com a presença do coro e da música pra imprimir um caráter dramático – e das reviravoltas, dão à obra características barrocas, que são intensificadas pela quantidade de referências diluídas no filme.

O espelhamento, aliás, se faz presente em várias cenas de Tetro, sob formas desde as mais simples, como em imagens refletidas em vidros de carros e em monitores de TV – às mais complexas, como as diversas encenações feitas do texto do Tetro personagem. Isso porque a própria obra se espelha no teatro (o Tetro aqui não é à toa), mais especificamente no shakespeariano.

Em outras palavras, não há como negar a presença de Hamlet nesse filme de Coppola, tanto pelo recurso do espelhamento, quanto pelas semelhanças na construção dos personagens e pela rivalidade como germe destruidor do núcleo familiar. No texto de Shakespeare, Hamlet tenta matar o tio para vingar a morte do pai. Em Coppola, Tetro faz praticamente o inverso, ao entregar a baqueta do pai, um maestro de sucesso, ao tio.

Ao fazer isso, ele mata simbolicamente o pai, enquanto Hamlet, como apontou Freud, não conseguiu matar o tio porque este cumpriu justamente o seu desejo mais inconsciente, fruto do complexo de Édipo: o parricídio. Da mesma forma, há na relação entre o pai, Tetro e Bennie e entre as bailarinas que aparecem na vida deles uma vinculação com o complexo de Édipo. Por isso, o próprio Coppola aparece como parricida ao matar a figura do pai, que havia sido construída em outras obras como na trilogia “O poderoso Chefão.”

A todas essas referências pode ser acrescida uma, possivelmente a metáfora principal, o mito da caverna de Platão. No filme, a maioria das cenas é em preto e branco, como as sombras que enxergam aqueles que estão presos à caverna platônica. As poucas cenas coloridas apontam o que há de “verdade” na história de Tetro, é como se ao espectador fosse dada a possibilidade de espiar o que há fora da caverna.

A “verdade”, contudo, é luz que ilumina e cega, como acontece com a mariposa da primeira cena da obra que, indo ao encontro da luz, também vai, certamente, ao encontro da morte. “Não olhe para a luz”, diz Tetro ao seu irmão Bennie, numa das últimas cenas; a verdade (ou o que está no inconsciente?) pode ser caminho para o abismo da loucura.

Assista ao trailer do filme:

http://www.youtube.com/watch?v=XJ_XTIsMKig

3 comentários:

Leonardo Davino disse...

Carol, finalmente vi Tetro.
Muito incentivado pelo seu texto.
Sobre o que achei: http://medindodias.blogspot.com/2011/02/tetro.html

beijos

Lou Porto disse...

Que bom, Leo. Li teu texto e comentei por lá. Bjs.

Jailson Batista disse...

interesante seu blog, vou seguir, espero qe me siga nos meus blos...bjs

http://jaylsonbatysta.blogspot.com/ e http://www.simplesmentejaja.blogspot.com/ siga eu sigo e divulgo tb...